Arquivo da categoria: Geral

Catástrofe educacional. Para a ONU, fechamento das escolas pode apagar décadas de progresso no aprendizado

 

Secretário-Geral da ONU teme desastre educacional mundial, pois a UNESCO estima que pelo menos 24 milhões de alunos correm o risco de abandonar a escola. A organização convida as autoridades nacionais e a comunidade internacional a se unirem para colocar a educação na vanguarda dos programas de estímulo e proteger os investimentos em educação.

Fonte: UNESCOPRESSE

Paris, 4 de agosto – O Secretário Geral das Nações Unidas, António Guterres, lançou hoje uma nota informativa intitulada “Educação na Era de Covid-19 e Além” , na qual a ONU salienta que a pandemia criou a perturbação mais grave da história dos sistemas educacionais globais e ameaça uma perda de aprendizado que poderia afetar mais de uma geração de estudantes. O fechamento das escolas também corre o risco de apagar décadas de progresso, de acordo com esta nota, que se baseia nos dados da UNESCO e oferece recomendações sobre maneiras de evitar desastres iminentes.

Salas de aula vazias: retrato do momento presente

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura liderou a redação da nota de orientação do Secretário-Geral, que contém contribuições de 15 organizações parceiras.

“Nós já estávamos enfrentando uma crise de aprendizado antes da pandemia”, disse Guterres, em uma declaração em vídeo para o lançamento da nota de orientação. “Agora estamos enfrentando uma catástrofe geracional que poderia desperdiçar um potencial humano incalculável, minar décadas de progresso e agravar desigualdades arraigadas”.

A nota convida as autoridades nacionais e a comunidade internacional a se unirem para colocar a educação na vanguarda dos programas de estímulo e proteger os investimentos em educação. Com esse objetivo, a UNESCO convocará uma sessão especial do Encontro Mundial sobre Educação antes do final do ano.

94% da população mundial afetada

Os dados da UNESCO mostram que quase 1,6 bilhão de alunos em mais de 190 países, ou 94% da população afetada, foram afetados pelo fechamento de instituições de ensino no auge da crise, um número que hoje é de um bilhão. Nada menos que cem países ainda não anunciaram uma data para a reabertura de estabelecimentos.

Nos países mais pobres, crianças pequenas deixam a escola e vão trabalhar.

A nota informativa lembra as projeções da UNESCO segundo as quais 24 milhões de alunos, do pré-primário ao ensino superior, correm o risco de não encontrar o caminho de volta aos estudos em 2020, após o fechamento induzido pelo Covid19. A maioria dos alunos em risco, 5,9 milhões, vive no sul e oeste da Ásia; 5,3 milhões estão na África Subsaariana. Essas duas regiões já estavam enfrentando sérios problemas de educação mesmo antes da pandemia, o que poderia piorar significativamente sua situação.

Segundo a UNESCO, o ensino superior provavelmente experimentará a maior taxa de evasão com uma queda esperada de 3,5% nas matrículas, o que resultará em 7,9 milhões a menos de estudantes. A educação pré-primária é o segundo nível mais afetado, com uma queda esperada de 2,8% nas matrículas, ou 5 milhões a menos de crianças. Segundo essas projeções, 0,27% dos alunos do ensino fundamental e 1,48% dos alunos do ensino médio, ou 5,2 milhões de meninas e 5,7 milhões de meninos em ambos os níveis, correm o risco de abandonar a escola.

Garantia de continuidade

“Esses resultados sublinham a urgência de garantir a continuidade da aprendizagem para todos diante dessa crise sem precedentes, em particular para os mais vulneráveis”, destaca Audrey Azoulay, diretora geral da UNESCO. “O resumo da política pede a proteção do investimento em educação em todos os níveis e alerta que, de acordo com as estimativas da UNESCO, a pandemia aumentará em um terço o déficit de financiamento necessário para atingir a meta de desenvolvimento sustentável da educação (ODS4), acordado em nível internacional para 2030, em países de baixa e baixa renda média, a partir do já impressionante déficit de 148 bilhões de dólares”.

A falta da merenda escolar deixará muitas crianças subnutridas

O fechamento da escola não prejudica apenas a educação. Eles também dificultam a prestação de serviços essenciais para crianças e comunidades, incluindo o acesso a uma dieta equilibrada e a capacidade dos pais de irem trabalhar. Eles também aumentam o risco de violência contra mulheres e meninas.

Impedir que a crise de aprendizado se torne um desastre geracional deve se tornar uma prioridade para os líderes mundiais e as partes interessadas na comunidade educacional, diz o documento, destacando o papel da educação como propulsora do progresso. desenvolvimento econômico, sustentável e um fator sustentável de paz.

A nota conceitual faz recomendações em quatro áreas para mitigar os efeitos da pandemia:

  1. Interrompa a transmissão do vírus e planeje cuidadosamente a reabertura das escolas. Isso envolve medidas de saúde e segurança, atenção às necessidades das crianças marginalizadas, planejamento conjunto e consulta com professores, pais e populações. As Nações Unidas emitiram orientações para ajudar os governos nesse empreendimento complexo.
  2. Proteger o financiamento da educação e coordenar para um melhor impacto. Apesar das restrições de gastos públicos, as autoridades nacionais devem manter os orçamentos da educação seguros e incluir instruções nos planos de recuperação pós-Covid. A comunidade internacional deve garantir assistência oficial ao desenvolvimento da educação. O alívio da dívida, o adiamento e a reestruturação dos países de baixa e média renda fazem parte da solução para ajudar os países a investir em educação.
  3. Fortalecer a resiliência dos sistemas educacionais para o desenvolvimento equitativo e sustentável. A construção da resiliência requer um foco na equidade e na inclusão, com medidas para atender às necessidades dos alunos mais marginalizados e vulneráveis ??e para garantir que não existam restrições econômicas e normas de gênero. ‘impedir que as meninas voltem para a escola. As capacidades de gerenciamento de riscos precisam ser fortalecidas em todos os níveis.
  4. Reimagine a educação e acelere mudanças positivas no ensino e na aprendizagem. A escala de inovações feitas em pouco tempo para garantir a continuidade do aprendizado prova que as mudanças podem acontecer rapidamente. Essas inovações abriram o caminho para redesenhar a educação e criar sistemas mais avançados, inclusivos, flexíveis e resilientes. As soluções devem se concentrar em perdas de aprendizado, evitando desistências, especialmente para os mais marginalizados, e garantindo o bem-estar social e emocional dos alunos, professores e funcionários da educação em geral. Outras prioridades incluem um melhor suporte para a profissão de professor, removendo barreiras à conectividade, investindo em tecnologias digitais e caminhos de aprendizado flexíveis.

A nota de orientação das Nações Unidas é lançada ao lado do #SaveOurFuture www.saveourfuture.world uma campanha liderada por dez parceiros, incluindo a UNESCO, para conscientizar sobre a urgência da educação em todo o mundo e incentivar o aumento do investimento, construir sistemas de educação melhores, mais inclusivos e mais fortes.