Arquivo da categoria: Ambiente

A leoa tem sede. E outras imagens premiadas de fotografias da natureza

 

 

O concurso Fotógrafo de Vida Selvagem do Ano (Wildlife Photographer of the Year ), fundado em 1965, é uma mostra internacional anual do melhor da fotografia da natureza. Este ano, o concurso atraiu mais de 49 mil inscrições de todo o mundo. O concurso é produzido pelo Museu de História Natural de Londres. Na galeria de imagens abaixo, as fotos premiadas da edição 2020 do concurso.

1 O abraço da tigresa. Vencedor Absoluto na categoria Animais em seu Ambiente: Uma tigresa abraça um antigo pinheiro da Manchúria, esfregando sua bochecha contra a casca para deixar secreções de suas glândulas odoríferas. Ela é uma tigresa da variedade Amur, também chamada de tigre siberiano (Panthera tigres altaica), moradora do Parque Nacional Leopardo, na Sibéria russa. Caçada quase até a extinção ao longo do século 20, a população da espécie está hoje reduzida a 500/600 indivíduos, e continua ameaçada pela caça ilegal e pela extração ilegais de madeira. Essa destruição do meio ambiente afeta também as presas desses tigres – principalmente veados e javalis. Foto: Sergey Gorshkov

2 Uma história de duas vespas. Foto vencedora no setor Comportamento Animal. Este notável enquadramento simultâneo de uma vespa da areia vermelha (esquerda) e uma vespa cuco prestes a entrar no ninho ao lado é o resultado de uma preparação meticulosa. A vespa cuco fêmea – com apenas 6 milímetros de comprimento – parasita os ninhos de certas vespas escavadoras solitárias, pondo seus ovos nas tocas de seus hospedeiros para que suas larvas possam se banquetear com os ovos ou larvas da outra espécie. A vespa da areia, muito maior, põe seus ovos em sua própria toca, que ela abastece com lagartas, uma para cada um de seus filhotes comerem quando surgirem. O objetivo original de Frank Deschandol era fotografar a vibrante vespa cuco. Em um banco arenoso em um terreno abandonado perto de sua casa na Normandia, França, ele localizou pequenas tocas de vespas escavadoras adequadas para uma vespa cuco usar. Ele então instalou um feixe infravermelho que, quando interrompido por uma vespa, aciona um sistema de obturador super rápido que ele mesmo fabricou. Foto: Frank Deschandol.

 

3 Uma raposa para todas as estações. Retratos de animais altamente recomendados: Enquanto caça ao longo do vale coberto de neve, uma raposa vermelha americana é atingida lateralmente por uma rajada de vento, que abre seu casaco de inverno espesso para revelar a camada de pelos finos. Implacável, esse exemplar macho continuou ouvindo atentamente à qualquer som de uma ratazana ou rato correndo sob a neve. Foto obtida em uma tarde gelada de fevereiro no Parque Nacional de Yellowstone, em Wyoming. O fotógrafo observou a raposa durante horas, resistindo ao vento e às quedas repentinas de temperatura para obter esta imagem nítida de um sobrevivente do inverno. Foto: John Blumenkamp.

 

4 De Boca Cheia. Vencedor na categoria de 11-14 anos. Em um feriado dedicado a mergulhos no norte da ilha de Sulawesi, Indonésia, Sam Sloss parou para observar o comportamento de um grupo de peixes-palhaço enquanto eles nadavam com movimentos agitados e repetidos dentro e fora e ao redor de sua casa, uma magnífica anêmona. Ele ficou intrigado com a expressão de um peixe, sua boca constantemente aberta, segurando algo. Em vez de seguir o peixe em movimento em seu visor, Sloss se posicionou onde sabia que ele voltaria para o quadro. Foi só quando baixou as fotos que ele viu olhos minúsculos espiando pela boca. Era um “piolho comedor de língua”, um isópodo parasita que nada entre as guelras dos peixes inicialmente como macho. Depois, muda de sexo, cria pernas e se fixa à base da língua do peixe, sugando sangue. Foto: Sam Sloss.

5 Eu te assisto assistir. Vencedor na categoria Vida Selvagem Urbana. Que regalo para um biólogo: a espécie que você deseja estudar escolhe fazer o ninho bem em frente à sua janela. A população do papa-moscas da Cordilheira está diminuindo em todo o oeste da América do Norte à medida que as mudanças climáticas causam o encolhimento dos habitats ribeirinhos (ou seja, rios e outros corredores de água doce) ao longo de suas rotas migratórias e em suas áreas de inverno no México. Ele normalmente nidifica em fendas e prateleiras nos desfiladeiros das Montanhas Rochosas de Montana. Mas em vez disso um casal escolheu essa cabana pesquisas construída em local remoto, talvez para evitar predação. O ninho foi construído sobre o batente superior de uma janela pela fêmea. Ambos os pais alimentaram os filhotes, voando para pegar insetos no ar ou pairando para pegá-los nas folhas. Para não perturbar os pássaros ou atrair predadores para o ninho, Alex Badyaev escondeu sua câmera atrás de um grande pedaço de casca de um antigo abeto encostado na cabana. Ele operou a a câmera remotamente da cabine. Foto: Alex Badyaev.

6 Quando mamãe diz para correr, corra. Vencedor na categoria Comportamento Animal. Esta é uma rara imagem de uma família de gatos de Pallas, ou manuls, nas estepes remotas do planalto Qinghai-Tibet, no noroeste da China. É o resultado de seis anos de trabalho em grandes altitudes. Esses pequenos felinos são normalmente solitários, difíceis de encontrar e principalmente ativos ao amanhecer e ao anoitecer. Após anos de observação, Shanyuan Li sabia que sua melhor chance de fotografá-los à luz do dia seria em agosto e setembro, quando os gatinhos tinham alguns meses de idade e as mães estão mais ousadas e decididas a cuidar deles. Ele rastreou a família enquanto eles desciam cerca de 12.500 pés em busca de sua comida favorita – pikas (pequenos mamíferos semelhantes a coelhos) – e montou sua barraca na colina em frente ao covil deles, um antigo buraco de marmota. Horas de paciência foram recompensadas quando os três gatinhos saíram para brincar, enquanto a mãe ficava de olho em uma raposa tibetana que espreitava nas proximidades. Foto: Shanyuan Li.

7 Um instante dourado. Vencedor na categoria Subaquático. Uma minúscula larva de lula flutua na escuridão das profundezas. Quando foi atingida por um peixe de luz, ele produziu essa cor ouro cintilante e, logo em seguida, se moveu para longe do feixe de luz. O feixe de luz era acionado por Songda Cai, mergulhador de águas profundas, no litoral de Anilao, nas Filipinas. Foto: Songda Cai.

 

8 Olha a pose. Vencedor na categoria Retratos de Animais. Um jovem macaco-tromba inclina ligeiramente a cabeça e fecha os olhos. Pálpebras inesperadas de um azul claro agora complementam seu cabelo ruivo imaculadamente penteado. Ele posa por alguns segundos como se estivesse meditando. Esse primata é um visitante selvagem durante a estação de alimentação no Labuk Bay Proboscis Monkey Sanctuary, em Sabah, Bornéo. Foto: Mogens Trolle.

 

9 A última picada. Vencedor na categoria Portfólio. Esses dois predadores ferozes raramente se encontram. O besouro tigre gigante ribeirinho persegue a presa no solo, enquanto as formigas tecelãs ficam principalmente nas árvores – mas se elas se encontrarem, ambas precisam ser cautelosas. Quando uma colônia de formigas foi caçar pequenos insetos no leito de um rio seco na Reserva de Tigres de Buxa, em Bengala Ocidental, Índia, um besouro tigre começou a matar algumas das formigas. No calor do sol do meio-dia, Ripan Biswas deitou-se na areia e se aproximou. Com mais de 12 milímetros de comprimento, o besouro diminuía as formigas tecelãs. Em defesa, uma delas deu uma picada na delgada perna traseira do besouro. O besouro girou rapidamente e, com suas mandíbulas grandes e curvas, partiu a formiga em duas, mas a cabeça e a parte superior do corpo permaneceram firmemente presas. Foto: Ripan Biswas.

 

10 Futebol de belugas. Vencedor na categoria Fotojornalismo de vida selvagem. Essas duas belugas estão se apresentando em uma piscina inflável dentro de uma tenda de circo em um estacionamento. Elas pertencem a um delfinário viajante, um dos 12 que hoje viajam pela Rússia. As belugas fazem as mesmas performances muitas vezes ao dia. Quando o show termina, elas são colocadas de volta em tanques e içadas em um caminhão para serem levadas para a próxima cidade. Essas duas baleias foram capturadas em águas russas. Elas agora vivem em pequenos tanques de água salgada e são transportadas de cidade em cidade, provavelmente até morrerem. Não há leis na Rússia que regulem especificamente o tratamento de mamíferos marinhos em cativeiro e, em 2020, as belugas ainda poderiam ser capturadas legalmente para fins científicos e educacionais. O objetivo educacional deste show é trazer animais nativos para o público russo. Foto: Kirsten Luce.

11 Quando a chuva chega. Categoria Ambientes da Terra Altamente Recomendados. Era o primeiro dia da lua de mel de Zack Clothier. Tendo montado acampamento na noite anterior na Floresta Nacional Uncompahgre, no Colorado, sua esposa e ele acordaram cedo para caminhar até um pequeno lago e assistir ao nascer do sol nas montanhas de San Juan. Eles chegaram e encontraram o lago reduzido à metade de seu tamanho normal, cercado por enormes ladrilhos de lama seca. Quase não chovia há seis meses, e a região estava passando por uma seca excepcional associada a um calor incomum. Mas quando o sol nasceu, uma enorme nuvem de chuva apareceu passando rapidamente sobre as distantes Montanhas Rochosas. Em vez de se concentrar na vista iluminada pelo sol, ele escolheu fotografar o drama dos contrastes entre a grande planície de lama cozida, com seu padrão dramático de fissuras e rachaduras. Foto: Zack Clothier.

12 Entrega atrasada. Categoria Comportamento de Aves. Com um bico cheio de krill, um papagaio-do-mar do Atlântico vem pousar na Ilha Grimsey, no norte da Islândia. A maior parte da colônia já havia se acomodado para a noite, e Catherine Dobbins d’Alessio rastreou o papagaio-do-mar enquanto ele circulava com o vento, iluminado pelo sol da tarde, dando-lhe uma olhada enquanto passava. A comida era para seu filhote, escondido em uma toca na encosta do penhasco. Foto: Catherine Dobbins d’Alessio.

13 E a raposa pegou o ganso. Vencedor na categoria 15-17 anos. Foi durante um feriado de verão em Helsinque que Liina Heikkinen, então com 13 anos, ouviu falar de uma grande família de raposas que vivia nos subúrbios da cidade na ilha finlandesa de Lehtisaari. A ilha tem áreas arborizadas e moradores que gostam das raposas, e assim, as raposas não têm medo de humanos. Heikkinen e seu pai passaram um longo dia de julho, sem se esconder, observando os dois adultos e seus seis grandes filhotes, que eram quase do tamanho de seus pais, embora mais magros e esguios. Em outro mês, os filhotes seriam capazes de se defender sozinhos, mas em julho eles estavam pegando apenas insetos, minhocas e alguns roedores, e os pais ainda traziam presas maiores para eles. Nesta noite, a raposa chegou com um ganso-craca. As penas voaram quando os filhotes começaram a lutar por ela. Um finalmente ganhou posse – urinando nele de excitação. Arrastando o ganso para uma fenda, o filhote tentou comer seu prêmio enquanto bloqueava o acesso aos outros. Foto: Liina Heikkinen.

14 Nascer do sol com crista. Vencedor na categoria Comportamento Animal. Depois de passar várias horas com água até o peito, em uma lagoa perto de Brozas, no oeste da Espanha, Jose Luis Ruiz Jiménez capturou este momento íntimo de uma grande família de mergulhões-de-crista. Os mergulhões constroem um ninho de material vegetal aquático, geralmente entre juncos à beira de águas rasas. Para evitar predadores, seus filhotes deixam o ninho algumas horas após a eclosão, pegando uma carona confortável nas costas dos pais. É ali que os filhotes vivem durante as próximas duas ou três semanas, sendo alimentados o mais rápido que seus pais conseguirem. Mesmo quando um jovem já cresceu o suficiente para ser capaz de nadar corretamente, ele ainda será alimentado pelos pais durante mais algumas semanas, até que emplume. Esta manhã, o pai de plantão no café da manhã – depois de perseguir peixes e invertebrados debaixo d’água – emergiu com penas úmidas e uma refeição saborosa, e o filhote de cabeça listrada estendeu-se para fora de seu santuário.  Foto: Jose Luis Ruiz Jiménez.

15 A vida do equilibrista. Vencedor na categoria Comportamento de Anfíbios e Répteis. Uma rã-de-vidro Manduriacu saboreia uma aranha no sopé dos Andes, no noroeste do Equador. Como grandes consumidores de invertebrados, as rãs de vidro desempenham um papel fundamental na manutenção de ecossistemas equilibrados. Naquela noite, a determinação de Jaime Culebras em compartilhar sua paixão por eles o levou a caminhar quatro horas, sob forte chuva, pela mata, para chegar aos riachos das rãs da Reserva Manduriacu. Mas as rãs eram evasivas e a chuva estava ficando cada vez mais pesada. Quando ele se virou, ficou emocionado ao ver uma pequena rã agarrada a um galho, seus olhos brilhando como mosaicos. Foto: Jaime Culebras.