Trump e o aquecimento global. Agência para o Meio Ambiente foi amordaçada

Com um dos seus primeiros atos oficiais, o novo presidente norte-americano impôs um toque de silêncio à Agência para o Meio Ambiente. Ao mesmo tempo, desapareceram do site oficial da Casa Branca quaisquer referências ao aquecimento global. O que se esconde atrás dessa mordaça?

 Por: Luis Pellegrini

A notícia percorre a web há alguns dias: com um dos seus primeiros atos oficiais, o presidente Donald Trump amordaçou a EPA (Environmental Protection Agency), ou seja, o órgão norte-americano para a proteção do meio ambiente. Trump ordenou que ela interrompa qualquer atividade pública de comunicação, tanto através dos seus próprios sites institucionais quanto através das redes sociais. O novo governante além disso teria proibido a Agência de assinar novos contratos e de receber financiamentos, mesmo oriundos de fontes privadas, para dar continuidade às suas atividades.

Em todo o mundo, esses atos estão sendo interpretados como enésimas provas do escasso conhecimento e fraca sensibilidade de Trump em relação às problemáticas ambientais. Mas o que aconteceu realmente?

Com efeito, pouco depois da sua posse, o 45o presidente dos Estados Unidos impôs à EPA e a outras agências governamentais a proibição de se comunicarem com o público. Isso significa, entre outras coisas, a suspensão de toda atividades nos sites da web e nas páginas dessas entidades nas redes sociais.

Trata-se na realidade de uma prática consolidada que acompanha as diversas mudanças no vértice do governo norte-americano, sobretudo quando o novo presidente é representante de um partido político diverso daquele do líder que se retira. O objetivo do silêncio midiático é rever as linhas mestras da comunicação pública de modo a alinhá-las com as prioridades do novo governo. Por esse motivo, já na sexta-feira 20 de janeiro, poucas horas antes da posse, Trump tinha firmado em bloco todos os novos regulamentos das Agências.

Aqui quem manda sou eu

A EPA, em particular, foi obrigada  a suspender cerca de trinta novos regulamentos para o meio ambiente já aprovados pela administração Obama: das restrições das normas sobre emissões de gases poluidores em alguns estados aos novos limites para o emprego industrial de algumas substâncias químicas.

Segundo quanto foi relatado pela mídia, o blecaute das comunicações deverá durar ainda alguns dias e, em princípio, no início da próxima semana a situação deve voltar à normalidade.

Mas o que mais preocupa é que, segundo fontes internas da EPA, citadas pela Agência Reuters, Trump teria pedido à Agência para que remova do seu site toda a seção dedicada às mudanças climáticas: uma vasta coletânea de estudos científicos sobre as causas e efeitos do aquecimento global e sobre as ações que estão sendo desenvolvidas para controlá-lo.

Uma intervenção desse tipo já foi efetuada no site oficial da Casa Branca,  no qual qualquer referência às mudanças climáticas foram eliminadas e substituídas pelo America First Energy Plan (Plano de Energia do América em Primeiro Lugar), onde se lê que “o presidente Trump está empenhado em eliminar as políticas nocivas e desnecessárias tais como a “Climate Action Plan”.

Trump não acredita na realidade do fenômeno das mudanças climáticas, e sua posição quanto ao aquecimento global é conhecida há tempos. Já em 2012, em um tweet, ele o definiu como sendo uma piada mentirosa arquitetada pela China para causar danos à economia norte-americana…

 As ideias sobre ciência do 45o presidente dos Estados Unidos são claras e bastante simples. Ele tem uma visão extremamente pessoal de ciência, aquecimento global, as vacinas, o preço da gasolina. Aqui estão algumas pérolas geradas pela mente trumpiana, e repassadas por ele no Twitter.

Fonte: Scientific American

Ilustração: Steve Brodner / Scientific American

Durante a campanha eleitoral, o novo presidente dos Estados Unidos falou muito, mas poucas das suas afirmações diziam respeito à ciência e a importância da alfabetização científica para o crescimento da nação, para a segurança e a saúde – não apenas dos cidadãos norte-americanos mas de todo o planeta. No entanto, no decorrer dos anos, Trump fez várias referências a temas científicos, quase sempre através da mídia social, o Twitter em primeiro lugar. A  revista Scientific American propõe aqui uma coletânea de alguns dos seus tweets mais característicos.

Sobre as mudanças climáticas

“O conceito do aquecimento global foi inventado pela China e para a China, para tornar não competitiva a indústria norte-americana”. [Twitter]

“Essa bosta mentirosa do aquecimento global nos custa caro e precisa acabar. O nosso planeta está congelando, com temperaturas cada vez mais baixas, e os nossos cientistas do aquecimento global rodam no vazio”. [Twitter]

“A NBC News (*) chama isso de ‘grande frio’ – as temperaturas mais frias desde muitos anos. Nosso país deve continuar gastando dinheiro nessa piada mentirosa do aquecimento global? “

“Cada evento climático isolado é usado pelos mentirosos do aquecimento global para justificar impostos mais altos para salvar o nosso planeta! Eles não acreditam no mercado!” [Twitter]

“Existem tempestades de gelo do Texas ao Tennessee – Eu estou em Los Angeles e aqui estamos congelando. O aquecimento global é uma enganação total e muito cara!” [Twitter]

Sobre a relação entre as vacinas e o autismo

“Vi pessoas com filhos perfeitamente sadios que levaram as crianças para vacinar, e um mês depois as crianças já não estavam tão sadias (em uma entrevista de 2012 ao Canal de TV Fox, relatada por Mother Jones]

“A incidência do autismo está acima da média – porque a administração Obama não toma alguma atitude contra esse autismo induzido pelos médicos? Não custa nada tentar” [Twitter]

“Crianças perfeitamente sadias vão ao médico, que os enchem de doses maciças de vacinas, e depois eles já não estão bem e mudam para autismo. Existem muitos casos assim!” [Twitter, veja aqui abaixo].

Sobre o Ebola

“Os Estados Unidos não devem permitir a re-entrada de quem foi infectado pelo Ebola. As pessoas que vão tão longe para ajudar os outros, são admiráveis – mas devem pagar as consequências das suas escolhas!” [Twitter]

“Os mesmos CDC (*) que estão trazendo o Ebola nos Estados UNidos são aqueles que perderam o controle das amostras de antrax no começo do ano… Prestem atenção.”[Twitter]

(*) CDC: Centers for Disease Control and Prevention (Centros para a prevenção e o controle das doenças).

Sobre a assistência sanitária

“O ObamaCare garante a assistência gratuita aos imigrantes clandestinos. Mas @BarackObama está cortando a assistência sanitária aos nossos militares e aos veteranos que voltaram das guerras. É um insulto.” [Twitter]

“Obama está furtando a assistência sanitária a 90 milhões de norte-americanos, mas deixa que o Irã tenha armas nucleares. Reflitam sobre isso”. [Twitter]

Sobre vários assuntos

“O fracking (*) apresenta risco zero. Aliás, aumenta a segurança nacional garantindo a independência energética dos Estados Unidos”. [Twitter]
(*) fracking: técnica de extração do petróleo.

“Seria lindo se o nosso comandante-em-chefe tivesse pela saúde dos veteranos de guerra o mesmo interesse que demonstra ao dar a cidadania aos imigrantes clandestinos”. [Twitter]

 “As centrais eólicas não são apenas horrorosas de se ver, mas pior ainda, são danosas para a saúde: leiam aqui! Deveriam ser colocadas fora da lei, e consentidas apenas em zonas fortemente industrializadas”. [Twitter]

“Creio que os temas das eleições deveriam ser o trabalho e o preço da gasolina, e não o controle dos nascimentos”. [Twitter]

“Tenham isso em mente: as novas lâmpadas “amigas do ambiente” Podem causar câncer. Estejam atentos – os idiotas que inventam essas coisas não pensam na saúde de vocês.”[Twitter]

Comentários

comentários