Arquivo da tag: Fake news

2018, o que pode não dar certo no mundo. Cinco possibilidades

 

O site norte-americano Futurism acaba de publicar matéria com prognósticos importantes para 2018. Entrevistados, especialistas em diversas áreas definem as áreas mais críticas. Entre elas, a bolha financeira do bitcoin (moeda virtual na internet), o fim da neutralidade na internet, a possibilidade de hackers invadirem sistemas informatizados ligados aos serviços de segurança nacionais. Tudo muito ligado aos Estados Unidos, porém perfeitamente aplicável ao Brasil de hoje.

Por: Aylin Woodward

Fonte: Site Futurism.com 

Não importa se você acha que ele foi bom ou ruim, 2017 foi certamente um ano bastante tumultuoso. Foi marcado por várias situações que provocaram comoção global, desde a decisão do Reino Unido de deixar a Comunidade Europeia (Brexit), à escalada das tensões com a Coreia do Norte passando pelas mais variadas denúncias e investigações de uma série de autoridades do governo dos Estados Unidos e de vários outros países do mundo. Com este novo ano que apenas inicia, talvez seja o caso de perguntar: O que mais virá agora?

2018 chegou trazendo alguns eventos esperançosos. Os Estados Unidos poderão crescer um pouco mais agora que o país está mais acostumado com a liderança de Donald Trump; no próximo mês 87 países ao redor do mundo verão seus atletas competir nas Olimpíadas de Inverno da Coreia do Sul; na metade do ano as atenções dos fanáticos por futebol estarão dirigidas para a Copa do Mundo em Moscou. Mas, como sempre, ao lado de coisas simpáticas existem outras com as quais a humanidade terá de se preocupar – e muito – ao longo dos próximos doze meses. Aqui estão alguns temas que, segundo os especialistas, poderão nos tirar o sono em 2018.

  1. Uma Internet não-neutra espalha a desinformação

Em 14 de dezembro de 2017, nos Estados Unidos, a Comissão Federal de Comunicações votou para revogar a “neutralidade da rede” – os regulamentos da era de Obama que impediram os provedores de serviços de Internet (ISPs) de priorizar certos sites, bloqueando conteúdo e cobrando diferentes velocidades de download. Agora, com Trump, a internet não será mais classificada como uma utilidade pública, por isso não pode ser regulada pelo governo. Provedores como AT & T, Verizon e Comcast não só poderão criar vias rápidas e pistas lentas na internet, mas também decidir quais sites viajam em quais pistas – e até mesmo bloquear determinados sites de consumidores na internet. Essas considerações foram feita ao Site Futurismo por Heather Ross, professora assistente da Escola da Universidade Estadual do Arizona para o Futuro da Inovação e da Sociedade. Embora as mudanças no mercado não aconteçam da noite para a noite, os americanos provavelmente verão algumas mudanças em seu serviço de internet e nos boletos de pagamento já neste ano de 2018. Os defensores da revogação da neutralidade da rede afirmam que esse movimento irá restaurar o status de mercado livre para a internet, o que beneficiará os consumidores reduzindo teoricamente suas contas de internet e apoiando a inovação em telecomunicações e tecnologia de banda larga, disse Ross. Mas nem todos concordam que funcionará dessa maneira. Nicholas Economides, professor de economia da Stern School of Business da Universidade de Nova York, disse que é improvável que as empresas reduzam os preços ao consumidor. “Eu não acho que a AT & T vai cortar minha conta. A ideia é risível “, disse ele.

New York City Rolling Rebellion defende a neutralidade da rede. Crédito da imagem: Flickr

 Além das preocupações com a velocidade e os preços da Internet, Ross está mais preocupado que este movimento dê às corporações controle sobre como acessamos informações. Os empresários que contam com acesso livre e aberto à internet estão preocupados com o fato de que a perda da neutralidade da rede reduziria sua capacidade de inovar e aumentar seus negócios, disse Ross. “Nossa democracia depende da livre troca de informações; a perda da neutralidade da rede é uma ameaça à nossa democracia “, disse ela. Na verdade, alguns especialistas acreditam que esse desenvolvimento é uma doença para a democracia americana. “Sem a neutralidade da rede imposta pelo governo federal, os provedores de serviços de internet não estão apenas capacitados, mas são ativamente encorajados a exercer uma supervisão discriminatória do tráfego na internet que eles transportam”, disse Aram Sinnreich, professor associado da Escola de Comunicação da Universidade Americana. “A liberdade de expressão e privacidade serão os danos colaterais, já que os ISPs conseguem bloquear a criptografia, censurar a dissidência e escolher os ganhadores e os perdedores”. Os ISPs podem armazenar conteúdo e entregá-lo a partir de suas redes em vez de diretamente do provedor de conteúdo original, afirmou Libby Hemphill, professor associado de informações na Universidade de Michigan. “Os ISPs podem querer fazer isso para conteúdo realmente popular, por exemplo”, disse Hemphill anteriormente ao Futurismo. “O que isso significa para os consumidores é que, se você quiser acessar conteúdo popular, você pode obtê-lo rapidamente. O que tem sido popular ultimamente? Desinformação. Então, potencialmente, a desinformação e a isca de clique são armazenadas em cache e atendidas rapidamente, enquanto o relatório autoritário permanece sem cache e lento. Isso não é bom para os consumidores ou para a nossa democracia “. Economides, o professor da NYU, levou o argumento um passo adiante. O que aconteceria se, digamos, o Wall Street Journal pagou aos provedores de serviços de internet por serviço acelerado, enquanto The New York Times não? “De repente, o campo de jogo nivelado na competição de notícias on-line foi embora para sempre”, disse ele.

A fusão dos gelos polares e muitos outros problemas criados pelas mudanças climáticas continuar a nos preocupar em 2018 

  1. Terremoto atinge o noroeste do Pacífico

Em setembro de 2017, dois terremotos – um de magnitude 8.1 e outro de magnitude 7.1 – atingiram o México uma semana após a outra. Mais de 300 pessoas morreram, mas a maioria das vítimas foi resultado de uma infraestrutura em situação de colapso mais do que o próprio tremor físico. Esses desastres ressaltaram a necessidade de códigos de construção mais estritos para novos edifícios e a adaptação das estruturas existentes para torná-los mais impermeáveis ??aos terremotos. Para o noroeste do Pacífico, a lição do México diz respeito à própria casa dos moradores. Sentindo-se em cima da Cascadia Subduction Zone (CSZ) – uma falha de “megathrust” de 1.000 km (621 milhas) que vai da Ilha de Vancouver, no Canadá, ao Cabo Mendocino, na Califórnia – cientistas desta região dos EUA e Canadá sabem que é apenas uma questão de tempo até a área experimentar um grande e desastroso terremoto. Jay Wilson, o Coordenador de Resiliência do Condado de Clackamas, no Oregon, disse ao Futurismo que a maioria das estimativas prevêem que haja uma chance de 10 a 15% de que a CSZ se rompa em um terremoto de magnitude 9,0 nos próximos 50 anos. Isso pode não parecer uma grande chance, mas Alison Bird, uma sismóloga especializada em terremotos da Natural Resources Canada, disse ao futurismo: “Se houvesse uma loteria com essas chances, todos estaríamos comprando um ingresso”.

“Tivemos um pouco de sorte. Na primeira metade do século 20, houve muitos grandes terremotos, mas os grandes sismos tem permanecido relativamente silenciosos desde 1949”, diz Bird. Ela pensa que as pessoas foram iludidas por uma falsa sensação de segurança por causa desse longo período de silêncio. Essa ilusão fez com que os moradores deixassem de tomar medidas para tornar mais segura a existência de suas famílias – pondo os móveis de suas residências no seguro, por exemplo. “É difícil conseguir que as pessoas realmente entendam isso, que um desastre desse porte poderia acontecer com você, não apenas em outros lugares e para outras pessoas”, diz ela. “Os cientistas ainda não conseguem prever com precisão quando esse grande terremoto acontecerá, mas cada ano que passarmos livres dele nos torna mais próximos dele”, completa a cientista.

2018, portanto, pode ser o ano em que a CSZ se rompa. No futuro imediato, Jay Wilson está mais preocupado com “as oportunidades que estamos perdendo toda vez que planejamos, revisamos, permitimos e construímos um novo edifício que seja projetado apenas para cumprir o código mínimo de segurança sísmica”. Wilson diz que este “mínimo-padrão” ajuda a garantir que, em um terremoto com potencial destrutivo, o prédio sofrerá danos mas não entrará em colapso, para que os ocupantes possam escapar com segurança. Edifícios não reforçados poderiam colapsar durante um grande terremoto, matando os que estão dentro.

Crédito da imagem: Pixabay

Chris Goldfinger, professor de geologia e geofísica da Oregon State University, diz por seu lado que os proprietários de imóveis precisam atualizar os edifícios existentes em cidades como San Francisco e Los Angeles para resistir a grandes tremores que inevitavelmente virão. “50 a 70 por cento do ambiente construído são edifícios de alvenaria não reforçados, com alto risco de colapso e danos sérios”, disse ele ao Futurismo. “Não é nenhum exagero chamar a situação atual de roleta russa”, conclui.

  1. A bolha do Bitcoin está inchando

O bitcoin é uma moeda, assim como o real ou o dólar, mas bem diferente dos exemplos citados. O primeiro motivo é que não é possível mexer no bolso da calça e encontrar uma delas esquecida. Ela não existe fisicamente, é totalmente virtual. O outro motivo é que sua emissão não é controlada por um Banco Central. Ela é produzida de forma descentralizada por milhares de computadores, mantidos por pessoas que “emprestam” a capacidade de suas máquinas para criar bitcoins e registrar todas as transações feitas.

O mundo ficou infestado com notícias sobre o bitcoin no segundo semestre de 2017. Desde o início do ano, o preço do bitcoin aumentou 1.700 por cento, totalizando cerca de U$18.000 para um único bitcoin em dezembro de 2017. Alguns especialistas preveem que esse aumento meteórico poderia significar uma queda igualmente dramática. A popularidade do Bitcoin vacilou selvagemente nos últimos três meses. Para cada punhado de pessoas que entram nesse trem financeiro chamado bitcoin, um número igual parece sair dele. Em dezembro, um dos criadores do bitcoin decidiu vender todos os seus bitcoins na mesma semana que uma empresa no Japão decidiu oferecer aos seus funcionários a opção de pagar seus salários em bitcoins. Em última análise, porém, os especialistas acham que o preço da criptografia cairá e a bolha irá explodir. Em outubro último, o economista Kenneth Rogoff, da Universidade de Harvard, publicou um editorial no The Guardian, prevendo que o preço do bitcoin entraria em colapso devido à concorrência de outras moedas e tokens no mercado de criptografia. A regulamentação governamental, também, poderia prejudicar o valor da moeda, acrescentou Rogoff. Quando a bolha do Bitcoin explodirá?

Crédito da imagem: Pixabay

“Os movimentos dos bitcoins no mercado realmente se parecem muito com uma bolha”, diz Campbell Harvey, professor de finanças da Fuqua School of Business da Duke University. “O que eu digo aos investidores especulativos é que precisam estar preparados para perder 90% do seu investimento”, diz ele. “Originalmente, as pessoas que compraram bitcoins entenderam a tecnologia blockchain e seu potencial”, explica Harvey. Mas agora uma classe diferente de investidores se juntou. “Eles veem isso como uma loja de valor ou um ativo que está sendo apreciado. Eles veem seu vizinho ou algum amigo ficar rico porque o bitcoin está subindo e eles querem subir nesse trem da alegria”, diz Harvey. E esses novos investidores que estão comprando alto e vendendo baixos ficarão dentro do processo, na medida em que o preço continue aumentando. Mas isso não vai continuar assim para sempre. Será que a bolha vai estourar? “Sim”, afirma Harvey. “É realmente apenas uma questão de quando. E isso é difícil de prever”. Felizmente, a bolha de explosão provavelmente não terá muito impacto na economia global ou na economia dos EUA, e isso não significa que o valor de mercado de cerca de U$ 300 bilhões vai para zero, diz Harvey. “Isso significa apenas que os investidores que tomaram o bonde andando vão descer dele, vão sair da festa, e os preços vão cair”.

  1. O fim dos subsídio para a saúde nos EUA

Para milhões de americanos, os cuidados com a saúde eram o bem menos garantido em 2017. Apesar das repetidas tentativas dfo atual governo de revoga-lo e substituí-lo, o Ato de Assistência Econômica (ACA) continua em pé. Mas alguns temem que outra legislação possa destruir os incentivos que o tornam atraente para os americanos. Em outubro, os membros da administração do governo Trump anunciaram o fim dos pagamentos de redução de custos compartilhados (CSR), os subsídios do governo para ajudar as companhias de seguros a diminuírem os custos de desembolso para os inscritos de baixa renda. O fim dos CSRs não significa o fim dessas proteções fora do bolso. Isso apenas empurra seus custos para as seguradoras. Sem pagamentos do governo para reduzir o custo de alguns, as companhias de seguros podem ter que aumentar os preços dos prêmios ou até mesmo parar de oferecer planos para os 10 milhões de americanos com menos de 65 anos que não são cobertos por seus empregadores. Um relatório de agosto de 2017 do Escritório de Orçamento do Congresso dos Estados Unidos estimou que o encerramento dos pagamentos da RSE diminuirá o número de americanos segurados em 1 milhão até o final de 2018. A lei de revisão de impostos recentemente aprovada, também, pode prejudicar a ACA. Ele remove uma penalidade de imposto por não se inscrever para o seguro, uma disposição que os republicanos há muito desejam desmantelar. O mesmo Escritório de Orçamento do Congresso prevê que 4 milhões de pessoas já não terão cobertura de saúde no primeiro ano após a passagem da nota fiscal. Será o fim do Obamacare?

Image credit: Alpha Imagens De Stock

Mas não há motivo para pensar que todo o mercado do Obamacare entrará em colapso no próximo ano, diz Benjamin Sommers, professor associado de política de saúde e economia da Harvard T.H. Chan Escola de Saúde Pública. “O mercado em estados como a Califórnia e Nova York que foram agressivos sobre a implementação do ACA vai sobreviver”, disse ele. Mas Sommers adverte que, se os subsídios para prêmios, destinados a ajudar as pessoas a comprar seguros em primeiro lugar, desapareçam graças a uma revogação aprovada pelo Congresso, então haverá uma implosão completa do mercado de cuidados de saúde da ACA. 

  1. Os hackers atacam a rede elétrica dos Estados Unidos

Em setembro, a Equifax, uma das três maiores agências de relatórios de crédito do país, experimentou uma grande violação do seu banco de dados, expondo a informação pessoal de cerca de 143 milhões de americanos. Violações como esta não vão parar em 2018, de acordo com Seth Lawson, professor associado de comunicação na Universidade de Utah. Na verdade, ele prevê que veremos mais brechas de bancos de dados em muitas das organizações privadas com as quais fazemos negócios, incluindo varejistas e profissionais de saúde. Mas em 2018, provavelmente veremos mais incidentes que envolvem as ameaças mais recentes que surgiram em 2016 e 2017, diz Lawson ao Futurismo. Estes incluem ataques à internet das coisas, ataques de ransomware (ransomware é um tipo de software nocivo que restringe o acesso ao sistema infectado e cobra um resgate para que o acesso possa ser restabelecido, caso não ocorra o mesmo, arquivos podem ser perdidos e até mesmo publicados), virus mineradores de moedas criptografadas, uso da mídia social em nível nacional para promover campanhas ilegais de propaganda e desinformação (tipo fake News, notícias falsas), e talvez até ataques cibernéticos contra infraestruturas críticas (tais como as de segur5ança nacional que controlam arsenais e instituições do gênero).

Grade de transmissão elétrica dos Estados Unidos. Crédito da imagem: Wikimedia Commons

Essa infraestrutura crítica poderia incluir, por exemplo, a rede elétrica dos EUA. Em um relatório de abril de 2017, o Conselho de Relações Exteriores advertiu que lugares como Rússia, China e, potencialmente, Irã e Coreia do Norte, poderiam conduzir um ataque cibernético na rede elétrica americana. Uma empresa do mercado de seguros, a Lloyd’s de Londres, postulou um cenário em que hackers visavam a Eastern Interconnection, uma das principais redes elétricas dos EUA que abastece quase metade do país. O ataque hipotético poderia causar um apagão em 15 estados e no Distrito de Colúmbia, deixando 93 milhões de pessoas sem poder usar energia elétrica. O custo desse cenário? 243 bilhões de dólares, quase 40 vezes mais do que as perdas estimadas do Blackout do Nordeste de 2003, que deixaram 50 milhões de pessoas sem energia por dois dias.