“Se eu governasse o mundo”. Importante recado de fim de ano deixado por Umberto Eco

Dois meses antes de falecer aos 84 anos, a 19 de fevereiro de 2016, o Importante filósofo, escritor e formador de opinião, o italiano Umberto Eco nos ofereceu algumas reflexões sobre temas que considerava fundamentais: internet, religião, e sobretudo a educação. Ele achava louvável que o maior número possível de pessoas frequentasse a universidade. Mas condenava a decadência generalizada da qualidade do ensino no mundo ocidental. Seu recado destinava-se ao fim do ano 2015. Mas permanece perfeitamente válido para este fim de 2016.

O escritor e pensador Umberto Eco

O escritor e pensador Umberto Eco

Entrevista a: Serena Kutchinsky

O que eu faria se governasse o mundo? Só posso dar uma resposta polêmica sobre o que eu faria se governasse o mundo, já que não existe chance de que isso aconteça. À medida que fui envelhecendo, comecei a odiar a humanidade. Assim sendo, se fosse dono do poder absoluto, deixaria que a humanidade persistisse no caminho da sua autodestruição, de modo que ela seria mesmo destruída, e eu seria mais feliz.

As pessoas como eu, os assim-chamados intelectuais, fazemos nosso trabalho, podemos escrever artigos, temos nossas formas de protestar, mas não podemos mudar o mundo. Tudo o que podemos fazer é apoiar a política de empatia. Angela Merkel fez uma declaração positiva quando incentivou o povo alemão a acolher refugiados sírios. Ela mudou a imagem do povo alemão em todo o mundo. Depois disso, os alemães já não serão vistos como membros da SS de Adolf Hitler. Isso é o que um político pode fazer.

Na rede não existe controle de qualidade

Os jovens precisam aprender a filtrar e a questionar as informações que recebem através da internet, em vez de toma-las como verdades absolutas. Trata-se de uma tarefa difícil. Eu uso a Wikipedia e sei que posso confiar em 90 por cento do seu conteúdo. Mas, na minha própria página, as pessoas escreveram que eu sou o primeiro de uma fiada de 13 irmãos, e que me casei com a filha do meu editor. Nada disso é verdadeiro. Assim, essa informação pode estar sujeita à manipulação. Um dos meus netos tem 15 anos e diz que muitos de seus amigos acreditam nas “teorias da conspiração” que são divulgadas na Internet. Na rede não existe controle de qualidade, e isso é um enorme problema.

O drama da internet é que ela promoveu o idiota da aldeia a detentor da verdade. As redes sociais deram voz a legiões de imbecis que, antes dessas plataformas, apenas falavam nos bares, depois de uma dose de cachaça, sem prejudicar a coletividade. Essas redes constituem um fenômeno que nos permite ter acesso a conteúdos cujo acesso, de outra forma, seria muito difícil.  Mas… nem tudo são rosas e, a verdade, é que muitas pessoas não estão “educadas” para fazerem bom uso da internet e das redes sociais em particular. Normalmente, esses imbecis seriam imediatamente calados, mas agora têm o mesmo direito à palavra que um Prêmio Nobel!

Livros com menos de cem páginas

Cada governo deveria fazer um grande esforço para tentar incrementar e melhorar a educação. Antes da Primeira Guerra Mundial, apenas cerca de 20 por cento das pessoas na Europa recebera um ensino fundamental. Hoje em dia, o problema são as universidades. Procura-se reduzir os requisitos exigidos para entrar-se nela, de modo que mais pessoas tenham acesso ao ensino superior. Isso é louvável, mas apresenta o risco de que a qualidade do processo educacional seja reduzida. Isso aconteceu na Itália, no Brasil e na maioria dos países recentemente, e os resultados são uma tragédia. Agora, os três primeiros anos de universidade são muito fáceis e os alunos não têm de ler livros com mais de 100 páginas. Aqueles que detêm o poder precisam compreender que para vencer a pessoa precisa enfrentar desafios. Quando eu estava na universidade tive de ler milhares e milhares de páginas e não morri por causa disso!

O ensino de línguas é a única coisa que eu tornaria obrigatória nas escolas. Se o conceito de Europa existe, ele é baseado no conhecimento mútuo da linguagem. Em dois de seus maiores países, França e Inglaterra, a maioria das pessoas parecem conhecer apenas a sua própria língua. Até bem pouco tempo, na Inglaterra, as pessoas eram fluentes em latim. Hoje, poucos sabem que o latim é uma língua. O meu neto é uma exceção à regra, há dois anos estuda grego, mas apenas porque nós, seus pais e avós, assim o quisemos; ele ainda não é capaz de ler Homero no original, claro. Mas tem desenvolvido uma compreensão da civilização. Este é o sentido da palavra grega “encyclios,” que significa “educação circular”, de onde vem a palavra “enciclopédia”.

A necessidade de uma crença religiosa

Os homens são animais religiosos. Os cães não são religiosos. É verdade que eles latem para a Lua, mas provavelmente não por causa da religião. Os seres humanos têm a tendência de buscar as razões e os motivos da situação em que se encontram. Há uma bela frase atribuída a GK Chesterton: “Quando os homens não acreditam mais em Deus, não é que passaram a acreditar em nada; é que passaram a acreditar em tudo.” Não há governante do mundo capaz de eliminar a religião. Você pode ser ateu ou não-crente, mas tem de reconhecer que a grande maioria dos seres humanos precisa de alguma crença religiosa. Karl Marx dizia que a religião é o ópio do povo, que ela mantém as pessoas tranquilas. Mas a religião também pode ser a cocaína do povo. Ela tem uma função dupla: dar resposta a algumas questões fundamentais e, às vezes, empurrar os crentes na luta contra os não-crentes. Trata-se de uma das características da humanidade, da mesma forma que os seres humanos constituem a única espécie capaz de amar.

Por último, se eu fosse governante do mundo, gostaria de obrigar as pessoas a ler todos os meus livros, para que eles se tornem tão inteligentes como eu e não acreditem que devamos ter um governante do mundo! Fico irritado quando recebo comentários positivos quando eles são positivos por razões equivocadas. E às vezes sinto-me sensibilizado por comentários negativos porque quem os faz de algum modo percebeu que nos meus escritos existe algo de verdadeiro. Outras vezes, fico irritado com um comentário negativo porque acho que ele é simplesmente estúpido. Mas tudo bem, isso faz parte do jogo.

Comentários

comentários