Arquivos da categoria: Vídeos

Chegou a primavera. Uma dança em homenagem à Mãe Terra

 

Os artistas de som e movimento corporal Jon Boogz e Lil Buck estrearam “Honor thy mother” (Honre sua mãe), uma performance delicada e potente de palavra falada, violino e dança que se baseia no relacionamento atormentado entre a humanidade e a natureza. O grupo de performers é formado por artistas de diferentes etnias e nacionalidades.

Vídeo: TED – Ideas Worth Spreading

Tradução: Maurício Kakuei Tanaka. Revisão: Leonardo Silva

Vídeo: Performance Honor thy Mother

 

 

 

Tradução integral das palavras da performance Honor thy Mother:

Mãe Terra: Nosso fim era iminente mas a determinação cedeu. O vento, a água e o fogo reviveram suavemente; você e eu nos reconciliamos, os ritmos se realinharam, os azuis foram tingidos de verde. Seu cuidado em conservar, em troca de minha fruta, e reabastecer esta restauração pictórica de céus pintados e montanhas onduladas, cobertas pela floresta. Não há mais aquecimento. A pureza e a simplicidade de como costumávamos ser.

Lembra-se de mim? Tudo o que dou à humanidade? Habitação, terra, mares, pássaros, animais e toda a humanidade, exclusivamente a interface onde você e os elementos se encontram e vibram em harmonia.

Minha beleza alterada, águas lamacentas, campos descobertos, interior cicatrizado além da reparação, nossas memórias desgastadas. Uma vez você ficou obcecado pela minha estrutura e como me tornei; minha natureza, sua polaridade, como meus ventos doces sussurram suavemente, mas agridem mares.

O índio lakota Canku One Star dança durante a performance Honor thy Mother.

Lembra-se de mim? Tudo o que dou à humanidade? Habitação, terra, mares, pássaros, animais e toda a humanidade, exclusivamente a interface onde você e os elementos se encontram e vibram em harmonia.

O viajante invisível que sempre passa, leva a vida, e se move. O abrigo da terra sente e ouve, é forte e inspirador, e sopra. Ele o inspira, limpa o vento, é suave e sereno, mais calmo. A fonte eternamente presente, de subida e descida: o ar.

De fluxo rítmico, fluido e gracioso, suas ondas de serenidade são cordas suaves de pureza, que reabastecem as chuvas rapidamente, rios de sonhos, mananciais intensos que cobrem a terra em abundância, o solvente universal que se dissolve. É bebida, líquido, vida e poder: a água.

Nasceu quando o universo foi formado, aqueceu a humanidade, deu-lhe luz, os raios coloridos iluminam as centelhas douradas incandescentes, potentes e brilhantes. Sagrado filho do ar, pai da fúria, calor que dança com vigor entre a perfeição e a beleza. A agilidade ilimitada, rápida e elaborada, centelhas de engenho que sobem: o fogo.