Arquivo da categoria: Sabedoria

Annapurna, deusa hindu da nutrição. Uma lenda da mitologia indiana

Na mitologia indiana, a união entre os deuses Shiva e Parvati foi gloriosa: uma combinação sagrada que trouxe fertilidade e união para todos os seres vivos. Entretanto, uma divergência tinha surgido entre essas duas forças. Para provar a importância de seu trabalho, Parvati se retirou do mundo, o qual mergulhou em escuridão. Antara Raychaudhuri e Iseult Gillespie contam a história da deusa Annapurna, um avatar (emanação) de Parvati, divindade cujo papel é nutrir a vida na Terra. Este é um resumo da lição dada por esses dois estudiosos da mitologia indiana e da sabedoria que ela contem. Quem quiser ver a lição completa pode acessar o link: https://ed.ted.com/lessons/the-legend-of-annapurna-hindu-goddess-of-nourishment-antara-raychaudhuri-and-iseult-gillespie

Vídeo: TED Ideas Worth Spread. Lição de Antara Raychaudhuri e Iseult Gillespie, vídeo dirigido por Roxane Campoy. Tradução: Simone Gumier. Revisão: Maricene Crus

 

Tradução integral do vídeo: A lenda de Annapurna

O deus Shiva, primordial destruidor do mal, exterminador de demônios, protetor e observador onisciente do Universo, estava testando a paciência de Parvati, a sua esposa.

Historicamente, a união entre Shiva e Parvati foi gloriosa. Eles mantinham o equilíbrio entre pensamento e ação, do qual o bem-estar do mundo dependia. Sem Parvati como agente da energia, crescimento e transformação na Terra, Shiva se tornaria apenas um observador imparcial, e o mundo ficaria estático. Mas juntos, os dois formavam uma união divina conhecida como “Ardhanarishvara”, uma combinação sagrada que trouxe fertilidade e união a todos os seres vivos.

Por essas razões, Parvati era venerada por toda parte como a mãe do mundo natural e parceira fundamental dos poderes de criação de Shiva. Ela provia o bem-estar material da humanidade e se assegurava de que os habitantes da Terra estivessem conectados de modo físico, emocional e espiritual.

Annapurna Devi, a deusa hindu da alimentação

Entretanto, uma divergência tinha surgido entre essas duas forças formidáveis. Enquanto Parvati provia a vida com prudência e controle, Shiva tinha começado a menosprezar o trabalho importante dela e insistia em discutir sobre as funções que os dois desempenhavam no Universo. Ele acreditava que Brahma, o criador do mundo, tinha concebido o plano material apenas por capricho. E, portanto, todas as coisas materiais eram meras distrações chamadas maya, não passavam de uma ilusão cósmica.

Durante milênios, Parvati havia agido sabiamente enquanto Shiva desprezava o que ela nutria. Mas com a última reprovação dele, ela soube que tinha que provar a importância do trabalho dela, de uma vez por todas. Ela se isolou do mundo, retirando parte da energia cósmica que sustentava a Terra.

Quando ela desapareceu, uma escassez total, repentina e terrível envolveu o mundo em um silêncio assustador. Sem Parvati, a terra se tornou seca e estéril. Os rios diminuíram e as plantações secaram nos campos. A fome se abateu sobre a humanidade. Os pais tinham dificuldade em consolar suas crianças famintas, enquanto eles mesmos tinham fome. Sem alimento, as pessoas não mais se reuniam ao redor de tigelas repletas de arroz, mas se esquivavam do mundo sombrio.

Abalado e surpreso, Shiva também sentiu um profundo vazio causado pela ausência da esposa. Apesar de seu poder supremo, ele também percebeu que não era imune à necessidade de sustento e sentiu uma ânsia profunda e insuportável. Quando Shiva se desesperou pela Terra desolada, ele se deu conta de que o mundo material não poderia ser ignorado tão facilmente.

Com a epifania do marido, a misericordiosa Parvati não poderia mais ficar observando enquanto os devotos dela definhavam. Para caminhar entre eles e restabelecer-lhes a saúde, Parvati assumiu a forma de um novo avatar, carregando uma tigela dourada de mingau e uma concha encrustada de joias. Conforme a notícia desse ser de esperança se espalhou, ela foi venerada como Annapurna, a deusa do alimento.

Anna ioga, a ioga da alimentação

Com a chegada de Annapurna, o mundo floresceu novamente. As pessoas se rejubilaram com a fertilidade e o alimento, e se reuniram para agradecer. Algumas acreditavam que Annapurna apareceu primeiro na cidade sagrada de Kashi, ou “Lugar da Liberdade”, às margens do Rio Ganges, onde ela abriu uma cozinha para alimentar os famintos até que se fartassem.

Mas não apenas os meros mortais se serviram do banquete. Comovido pelas cenas de prazer terreno que surgiam por toda parte, o próprio deus Shiva se aproximou da deusa com uma tigela vazia e implorou por alimento e perdão. Por essa razão, o supremo Shiva é, às vezes, representado como um pobre mendigo, à mercê de Annapurna, que segura sua tigela dourada na mão esquerda, enquanto a direita forma o “abhaya mudra”, um gesto de segurança e confiança.

Com esses símbolos, esse poderoso avatar deixa claro que o mundo material não tem nada de ilusório. Pelo contrário, é um ciclo de vida que dever ser mantido, desde prover o alimento a quem tem fome ao equilíbrio da Terra.