Arquivos da categoria: Revista Oásis

Sensibilidade animal. Seu cachorro sabe quando você está doente

 

Por: Amanda Mull

Fonte: Site The Atlantic

 

Sou daquelas que fazem qualquer coisa para não admitir que estou doente. Tomo uma dose dupla do meu antialérgico habitual quando meu nariz parece inchar e começo a espirrar. Amaldiçoo o sistema de ar condicionado do prédio quando minha garganta seca. Atribuo minha fadiga e letargia ao fato de passar quase 14 horas por dia na Internet.

Mas há um sintoma que aprendi a não ignorar: é a pressão da cabeça da minha cachorrinha sobre minhas pernas quando ela decide fazer isso durante horas a fio, quando, habitualmente, ela faz questão de parecer ignorar a minha presença. Quando minha cachorra sabe que não estou bem, não é mais o caso de pretender que estou bem.

Midge, minha chihuahua, certamente não é o cachorro mais afetuoso do mundo. Nós nos damos super bem, mas ela possui suas próprias manias e distrações. Tem um jeito horrível de dilacerar por completo dos brinquedos que lhe compro, mastigando-os como se fossem chiclete. Tive até de adquirir para ela uma cama à prova de mordidas. Mas assim que o mais leve resfriado começa se apoderar de mim, minha cachorra se transforma.

Midge, minha chihuahua, certamente não é o cachorro mais afetuoso do mundo. Nós nos damos super bem, mas ela possui suas próprias manias e distrações. Tem um jeito horrível de

sempre pronta a conduzir-me de volta a um estado de boa saúde através do seu curioso
método de permanecer bem juntinha a meu corpo.

Embora, por pura vaidade, eu cultive a crença inabalável de que minha cachorra é um anjo único e especial, é fácil encontrarmos histórias de outros animais que confortam e tomam conta de seus donos nos momentos de doença ou de ferimentos. Fiquei doente a semana passada, e ao verem Midge grudada em mim, alguns amigos falaram sobre seus próprios animais de estimação vigiando e tomando conta de tudo quando os donos passavam por dificuldades de saúde. Devo dizer, no entanto, que Midge não se importou minimamente quando, há dias, fiz um pequeno corte em minha mão ao lavar pratos. “Apenas um acidente de trabalho”, ela ter pensado.

De acordo com pesquisadores que estudam cognição canina, nossos amigos de quatro patas realmente percebem quando seus donos estão passando por um momento difícil, e eles usam uma rica variedade de sinais para demonstrar isso. Cães domésticos não apenas notam quando você tem um problema físico pequeno ou bem sério, mas também demonstram uma aptidão para detectar flutuações do seu humor, do seu ânimo e dos seus estados de alma.

Donos de cachorros têm sempre a impressão de que seus animais sabem quando eles estão com algum problema de saúde. Alguns cães demonstram inclusive se preocupar com seus donos, não deixando ninguém chegar perto enquanto estes passam por alguma doença, mesmo que seja um simples resfriado. Mas será que há alguma explicação científica real para esse “superpoder” dos nossos amigos caninos? De acordo com pesquisadores que estudam a cognição canina, isso não é apenas a imaginação dos donos de animais de estimação. Cães realmente sabem quando seus humanos estão passando por um momento difícil, e usam uma rica variedade de sinais para descobrir isso. Cães domésticos já demonstraram aptidão para detectar tanto flutuações de humor quanto condições físicas muito mais graves.

Cães fazem bem para a saúde de seus donos

“Os cachorros são excepcionalmente sensíveis às mudanças manifestadas por seus donos. Se uma pessoa está infectada com um vírus ou bactéria, ela cheira diferente”, explica Alexandra Horowitz, chefe do laboratório Horowitz Dog Cognition no Barnard College, nos EUA, em entrevista ao portal The Atlantic. Algumas doenças alteram o odor de uma pessoa tão profundamente que até mesmo outras pessoas podem perceber, mas os cães são capazes de sentir alterações em suas pessoas que escapam dos sentidos humanos – ou tão cedo que a pessoa doente mal se sente diferente. Isso acontece porque os cães têm um olfato exponencialmente mais poderoso do que os seres humanos: eles podem ter até 300 milhões de receptores olfativos em seu nariz, enquanto nós temos cerca de 6 milhões nos nossos narizes.
Pesquisadores também descobriram que o humor de uma pessoa, que pode ser um indicador de uma doença mais grave, desencadeia o olfato de um cão. As emoções humanas manifestam-se fisicamente em sinais químicos que são emitidos pelo corpo, e os cães são peritos em decifrar essas mudanças.

Cães possuem um olfato poderoso o suficiente para detectar substâncias em concentrações de uma parte por trilhão, o que representa uma única gota de líquido em 20 piscinas olímpicas. Cada vez mais, eles estão sendo usados ??experimentalmente para detectar doenças humanas apenas pelo cheiro.

Em testes de laboratório, cães mostraram-se capazes de detectar corretamente o cheiro de crianças infectadas com parasitas da malária em 70% das vezes. As crianças da escola de onde as amostras foram retiradas pareciam saudáveis, mas exames de sangue administrados no local descobriram que 30 crianças eram realmente portadoras da doença.

Extraem informações da voz da pessoa

Além do cheiro, os cães também extraem informações da voz de uma pessoa para perceber as mudanças. Em 2014, pesquisadores descobriram que os cães têm uma área do cérebro, semelhante à encontrada em seres humanos, que lhes permite decifrar sinais emocionais no tom da voz do falante, além do que eles seriam capazes de captar apenas palavras familiares. A voz de uma pessoa também pode conter indicadores de depressão, letargia ou outros problemas.

O que não é compreendido tão bem é o que os cães fazem com todas essas informações. “Estamos enviando muitas sugestões, exatamente do tipo que os cães são especializados em sintonizar. Se eles pensam que isso significa ‘doença’ não está claro”, diz Horowitz na mesma entrevista. O que percebemos como preocupação por parte de um cachorro pode ser mais uma curiosidade aumentada ou suspeita de que algo está errado conosco, e ficar por perto é uma ótima maneira de obter mais informações sobre a situação.
Além disso, a preocupação deles pode ser com a vigilância, segundo Horowitz. Se o seu cão está preocupado com o seu bem-estar, ele ou ela pode se transformar em um cão de guarda. Nessas situações, um cão insiste em ser o ser vivo mais próximo quando você está doente ou tenta impedir que outras pessoas cheguem perto enquanto você está com o problema que ele detectou.

Ao longo de séculos de adaptações e de evolução, os cães domésticos tornaram-se ainda mais sintonizados com os humanos do que com os outros cães. Quando combinadas com suas incríveis habilidades sensoriais, essa conexão intensa é potencialmente um enorme benefício para a saúde humana. Além das doenças sazonais comuns, alguns cães também mostraram a capacidade de detectar com precisão doenças como malária, Parkinson, diabetes e certos tipos de câncer. E além da detecção, pesquisas sugerem que, por si só, a posse de cães pode ter uma variedade de benefícios ligados à nossa saúde e estados de humor. Os cães podem ajudar as pessoas a relaxar, e podem ser um conforto para aqueles com autismo ou aqueles que estão lidando com estresse pós-traumático.