Boto-Tucuxi – O rei do Delta do Parnaíba

Mamãe tucuxi e seu filhote, foto de Leonardo Flach

No litoral maranhense e do Piauí, jovens biólogos desvendam a vida misteriosa dos botos, golfinhos, baleias e peixes-boi que vivem na região. Muito inteligentes, esses animais chegam a ajudar no resgate de pessoas que caíram ao mar. Fui lá conferir

Por Luis Pellegrini, de Parnaíba, Piauí

No porto pesqueiro de Luís Correa, situado no delta do rio Parnaíba (PI), o biólogo Mário Neto, do Procema/Icep (Projeto Cetáceos do Maranhão/Instituto Ilha do Caju Ecodesenvolvimento e Pesquisa), anota com interesse o relato do pescador Francisco Damasceno Santiago. Recém-chegado do mar, com o filho nos braços, ele narra uma história fascinante: “Os botos são muito inteligentes. Quando estamos em alto-mar, esperando para recolher as redes, alguns deles chegam bem perto do barco, põem a cabeça fora d’água e passam um tempão olhando para nós com a mesma curiosidade com que olhamos para eles. Certa vez, ajudaram a salvar um pescador do meu barco. Ele caiu na água quando já era noite escura e voltávamos para o porto. A bordo, todo mundo dormia, menos o piloto, que não viu nada.

“Horas depois, quando estávamos perto de Luís Correia, nos demos conta de que nosso

Sentado, o pescador Francisco de Oliveira e seu filho

Sentado, o pescador Francisco de Oliveira e seu filho

companheiro desaparecera. Ficamos desesperados e imediatamente voltamos para tentar encontrá-lo. Sem muita esperança, pois sequer estávamos certos do rumo a seguir. Foi aí que um grupo de botos-tucuxi (ou botos-cinza) pôs-se a nadar junto à proa do barco, como costumam fazer esses bichos. De repente, notamos que eles saltavam no ar e davam uma clara guinada para a esquerda. Alguém gritou: ‘Estão nos indicando a direção correta!’ Viramos à esquerda e os botos pararam de saltar. Algum tempo depois, começaram a saltar à direita, e entendemos que tínhamos saído do rumo certo e

que deveríamos mudar e seguir a orientação deles. “E assim foi, durante cerca de duas horas. De súbito, eles pararam de saltar e começaram a nadar em círculos. Desligamos o motor do barco e, logo depois, começamos a ouvir a voz do nosso companheiro, vinda de algum ponto na escuridão do mar. ‘Estou aqui, estou aqui. Acudam!’ Chegamos finalmente até onde ele estava, boiando sobre as águas, e o recolhemos ao barco.”
Uma história incrível, confirmada pelos outros pescadores. “E aí”, perguntou Mário, “depois de testemunhar fatos como esse, o que você acha: os botos são peixes ou alguma outra coisa?” Santiago acaricia a cabeça do filho, pensa durante algum tempo e responde: “Não, peixe não pode ser. É inteligente demais para ser peixe. Deve ser alguma outra coisa!”

O relato de Santiago é apenas um entre os muitos que os pesquisadores do Procema ouvem e gravam sobre

Alexandra entrevista um pescador

Alexandra entrevista um pescador

os hábitos e peculiaridades dos botos, baleias, golfinhos, peixes-boi e outros habitantes dos mares do Piauí e do Maranhão. Esses biólogos saem cedo de Parnaíba (PI), munidos de seus gravadores, cadernos de notas e câmeras fotográficas, rumo às pequenas comunidades de pescadores da região. Conversam com eles nas horas em que estão de folga, e às vezes são convidados para acompanhá-los ao alto-mar, durante as pescarias.
“As pessoas das comunidades de pescadores são muito carentes de informação, sequer conhecem a diferença entre peixe e cetáceo – apenas sabem que estes últimos ‘são mais inteligentes’”, explica Mário Neto. Outro membro do Procema, a educadora ambiental Jacqueline de Oliveira Vieira, entra na conversa: “Os pescadores se sentem valorizados ao ver que nós os procuramos e damos importância ao acervo de informações e de experiência que eles carregam. Chegamos a eles de igual para igual, como especialistas que conversam com especialistas. Frequentamos as casas deles, sentamos no chão, tomamos café, comemos peixe frito, nos tornamos alguém da família. Tudo isso produz um grande efeito na auto-estima dos pescadores. Eles certamente aproveitam as informações e as técnicas que procuramos passar para eles. Porém, acho que nós mesmos, pesquisadores, aproveitamos muito mais. Quase tudo que sabemos vem do aprendizado teórico. Mas eles aprendem tudo na prática, e isso faz com que desenvolvam uma sabedoria de valor inestimável.”

Aula comunitária

Aula comunitária

Contatar as comunidades de pescadores é apenas uma das muitas atividades desenvolvidas pelo pessoal do Procema. No Centro de Educação Ambiental da Vida Marinha, na Ilha do Caju, entidade irmã do Procema, já foram montados esqueletos completos de boto-tucuxi, baleia minke-anã, cachalote, baleia-de-bryde. O Centro é o maior do Nordeste em diversidade de espécies. Na montagem dos animais foi usada tecnologia europeia: cabos de aço suspensos, barras de alumínio para sustentar o esqueleto axial. São realizadas visitas agendadas de grupos de crianças e adolescentes.
Criado em 2005 por Ingrid Clark, da família proprietária da Ilha do Caju, o Projeto Cetáceos do

Ingrid Clark, fundadora do Procema

Ingrid Clark, fundadora do Procema

Maranhão/Instituto Ilha do Caju Ecodesenvolvimento e Pesquisa (Procema/ICEP) foi contemplado pelo Programa Petrobras Ambiental na seleção pública de 2006. O patrocínio permitiu que a entidade se estruturasse e é vital para a continuidade dos trabalhos. Desde sua fundação, o Procema vem realizando monitoramentos regulares ao longo da costa do Maranhão e do Piauí, registrando e informando pescadores e comunidades ribeirinhas sobre a importância de preservar não só os cetáceos, mas todo o ecossistema que engloba a região. O Procema tem organizado também seminários, cursos e oficinas, muitas vezes em parceria com as prefeituras dos municípios da região.

Apesar do número ainda exíguo de membros ativos, as ações do Procema na região se multiplicam. Na região de Alcântara (MA), por exemplo, verificou-se que a ocorrência de efeitos causados pela ação do homem, tais como pesca, ruídos de embarcações ou incremento do turismo em pontos de ocorrência dos botos, é muito grande. Os biólogos também constataram uma grande ocorrência de consumo de carne do boto-tucuxi, usada como isca para captura de tubarão, retirada dos olhos e das gônadas do animal, a serem utilizados como amuleto ou em trabalhos de magia supersticiosa. Em decorrência dessas ações predatórias, hoje esse boto integra a lista dos animais ameaçados de extinção.

Alexandra examina corpo de boto encalhado na praia

Alexandra examina corpo de boto encalhado na praia

Para complicar ainda mais a situação, existe captura acidental e incidental indiscriminada, tanto no Maranhão quanto no Pará. Diante de tal quadro, os biólogos entenderam que é preciso realizar um amplo trabalho de conscientização ambiental junto à população, para evitar a destruição desses animais.

Jacqueline e Georgia protegem filhote de boto

Jacqueline e Georgia protegem filhote de boto

O Procema também fechou parcerias com várias universidades, tais como a Universidade Federal do Maranhão (UFMA) e a Universidade Estadual do Maranhão (Uema), e está costurando outros apoios na área acadêmica. Alguns estudantes já foram incorporados ao projeto. No momento, há seis estagiários em ação, cada qual desenvolvendo uma linha de pesquisa voltada para estudar uma atividade específica, principalmente relacionada ao boto-tucuxi.

Uma equipe de biólogos abnegados (e felizes)

Em Parnaíba, durante uma semana, juntei-me aos pesquisadores do Procema para participar de trabalhos de campo: coleta de vestígios de cetáceos encalhados nas praias, avistamento de animais no mar, visitas a comunidades de pescadores. Todos esses biólogos são jovens, simpáticos, saudáveis e apaixonados pelo que fazem. Como todo biólogo que atua no Brasil, trabalham muito e ganham pouco. Sua profissão é uma espécie de sacerdócio. Mas levam uma vida de sonho para quem tem uma vocação real de atuar em estreito contato com o mundo natural. Ao ouvi-los, confesso que senti uma ponta de saudável inveja… e profunda nostalgia dos tempos em que quis ser biólogo, e não fui.

Os rapazes e moças do Procema, ao contrário, escolheram ser biólogos, e são. “Escolhi a biologia por curiosidade e sentimento de contato com a natureza”, diz Geórgia de Oliveira Aragão, encarregada de monitoramento e encalhe de animais. “Trabalho com cetáceos e no contato com as comunidades de pescadores. A boa qualidade de vida que

Da esquerda, a equipe do Procema: Wennys, Mário,  Geórgia, Jacqueline e Alexandra

Da esquerda, a equipe do Procema: Wennys, Mário, Geórgia, Jacqueline e Alexandra

meu trabalho proporciona também foi fator importante na minha escolha.” Mário Magalhães Neto, por seu lado, dá ênfase ao trabalho de contato com as comunidades de pescadores. “As pessoas dessas comunidades são muito carentes de informação e sequer conhecem a diferença entre peixe e cetáceo. Apenas sabem que estes últimos ‘são mais inteligentes.”
Jacqueline de Oliveira Vieira, especialista em educação ambiental, amplia a colocação do colega: “O fator primordial na minha escolha foi a liberdade real que a profissão nos proporciona. Embora tenhamos de adotar metodologias bem precisas, sobretudo para o trabalho de campo, a própria atividade nos deixa livres para tomar atitudes e decisões. Por exemplo, no contato com os pescadores, no ato de colher informações e de ouvir relatos.”
Wennys Dean Sousa da Silva, técnico em geoprocessamento, sintetiza a posição do grupo. “Sou, por enquanto, o mais novo do projeto. Faço a faculdade de engenharia de pesca. Essa área tem pouco ou nenhum interesse em conservação. O que interessa é a produção. Participei da montagem dos esqueletos de cetáceos na Ilha do Caju e comecei a me envolver de um jeito diferente com esse universo. Fui convidado a participar do Procema. Como conciliar conservação e produção? Vou ter de escolher. Mas, com certeza, se for para a produção, ela será sustentável. Acho que a pessoa deve escolher livremente a sua atividade, deve fazer o que a deixa feliz. Não tenho a mínima vontade de ficar trancado num escritório, isolado do mundo. Por isso escolhi uma atividade que proporciona maior liberdade.”

Alexandra examina corpo de boto encalhado na praia

Alexandra e Jacqueline examinam corpo de boto encalhado na praia

Progresso, sim, mas de forma ordenada

A bióloga Alexandra Fernandes Costa é coordenadora técnica do Procema. Com larga experiência na Amazônia, onde passou dois anos pesquisando cetáceos e sirênios da região, é ela quem agora orienta os trabalhos de campo dos biólogos do Procema. Delicada e inteligente, tem um surpreendente cuidado ao dissecar os corpos de golfinhos mortos que terminam nas praias do litoral do delta do rio Parnaíba. “Ainda na faculdade, entrei para um grupo que estudava cetáceos. Era um bando de estudantes que gostavam de surfar, e os botos muitas vezes surfavam com eles”, conta Alexandra, enquanto secciona a coluna vertebral de um boto-tucuxi.

Cetáceo muito raro, este filhote de cachalote-anão encalhou  em praia do Delta do Parnaíba

Cetáceo muito raro, este filhote de cachalote-anão encalhou em praia do Delta do Parnaíba

“Na Amazônia trabalhei em dois grandes projetos, sempre ligados a cetáceos e a sirênios. Trabalhei no Museu Goeldi, corri a Amazônia toda. Agora trabalho na região do delta do Parnaíba, que possui pouquíssimos estudos sobre cetáceos. Nosso projeto está centralizado no incremento dos conhecimentos e registros de ocorrências desses animais no Delta.”
Por que isso é tão importante? “Porque, embora o litoral do Piauí seja o menor do Nordeste (apenas 66 quilômetros), ainda não foi objeto de estudos específicos sobre o tema. Os biólogos da nossa região saíam diretamente da escola para dar aulas. Não havia nenhuma possibilidade de pesquisa e de trabalho de campo. Por isso é que esperamos confiantes que o Procema tenha continuidade.”

Ela elogia a relação entre o Procema e o Instituto Ilha do Caju: “É uma oportunidade

Na Ilha do Caju, um esqueleto completo de baleia
Na Ilha do Caju, um esqueleto completo de baleia

fantástica ter um instituto (o Ilha do Caju) que proporciona logística, espaço físico e a própria Ilha do Caju, um santuário ecológico absolutamente extraordinário. Trata-se de uma grande ilha, que oferece condições privilegiadas em termos de ecossistemas – é uma microrregião muito importante e em muitos aspectos única no Brasil. Melhor ainda é o fato de Ingrid Clark, da família Clark, proprietária da ilha, identificar o Procema e a Ilha do Caju como partes fundamentais do seu projeto pessoal de vida. Ingrid é a nossa grande idealizadora. A ilha é uma RPPN, uma reserva particular do patrimônio natural. Antes dela não havia na região nada nem ninguém que agregasse forças para um trabalho de grande porte na área ambiental.”

A equipe do procema em trabalho de campo

A equipe do procema em trabalho de campo

Sem a parceria com a Petrobras, o Procema simplesmente não existiria, explica Alexandra. “Graças a esse patrocínio, dispomos hoje de uma boa infraestrutura, uma logística privilegiada, tudo no âmbito do Programa Petrobras Ambiental. Os resultados já alcançados são bem relevantes e serão apresentados em alguns meses. O projeto nos permite manter os olhos voltados para a nossa região. Se o Delta ficar aberto apenas à especulação imobiliária – que aqui chegou como um verdadeiro tsunami de interesses políticos, financeiros e econômicos –, isso significa grandes riscos e preocupações ambientais. Se não houver iniciativas locais de acúmulo de conhecimento e know-how específico a respeito das reais características ambientais do Delta e arredores e das suas condições de sustentabilidade, o risco será ainda maior. Nós, do Procema, também queremos que o progresso chegue, porém de forma ordenada. Se essa ocupação for feita de modo desordenado e predatório, o Delta como um todo será palco de uma catástrofe.”
Ela considera vantagem a pouca idade da equipe: “Isso é muito promissor. Vários outros estudantes vêm à nossa procura em busca de oportunidades de trabalho e de estudos. Isso nos agrada, pois uma das nossas ações é justamente aproximar os meios acadêmicos do Procema, através de ações como minicursos, palestras e encontros.

Observação de cetáceos em alto-mar

Observação de cetáceos em alto-mar

A pesca do tucuxi é proibida, mas…

O boto-tucuxi, ou boto-cinza (Sotalia guianensis), é um cetáceo encontrado em águas costeiras e estuarinas das Américas Central e do Sul. Dos mamíferos marinhos que frequentam as águas do delta do Parnaíba, ele é o mais numeroso. Possui ventre branco (adultos), com dorso e parte lateral cinza, e chega na maturidade a 2 metros de comprimento. Os botos-tucuxi são polígamos e podem formar grupos com até 90 indivíduos. Pesam em média 50 quilos.
Mamífero situado no topo da cadeia alimentar, o boto-tucuxi come peixes e lulas; estas, por sua vez, alimentam-se dos zooplânctons e estes, dos fitoplânctons. O único predador do boto é o próprio homem – sobretudo porque morre asfixiado em suas redes de pesca – e, eventualmente, quando o animal está machucado ou muito enfraquecido, um tubarão. Mas, em geral, o boto não tem predador natural.
Animais totalmente adaptados à água, muito inteligentes, eles não dormem – “descansam”, reduzindo o metabolismo corporal, quando ficam próximos à superfície, em processo de flutuação.
O Brasil veta a pesca ou caça ao boto, conforme a lei federal 7.643, de 1987: “Fica proibida a pesca ou qualquer forma de molestamento intencional de toda espécie de cetáceo nas águas jurisdicionais brasileiras.”

Blog: www.procema.blogspot.com;

Site em preparação: www.procema.org.br.

Comentários

comentários

10 ideias sobre “Boto-Tucuxi – O rei do Delta do Parnaíba

  1. Luis Pellegrini Autor do post

    Querida Georgia, para mim também estar com vocês no Delta do Parnaíba foi uma experiência super feliz. Retomei, por alguns dias, minha vocação original: a biologia… Permaneci eu também abnegado e feliz rsrsrs! Só que no jornalismo… Mande notícias. O que estás fazendo agora. Cuidando das lontras? Abração. Luis

  2. Georgia

    Pellegrini, não sabe como sinto saudade desse trabalho. Essa matéria em especial fez parte de um grande aprendizado para mim. Espero que ainda façamos alguns trabalhos juntos. Continuo uma bióloga abnegada e muito feliz..hahahaha Abraço!!

  3. Luis Pellegrini Autor do post

    Olá Ana Carolina, não tenho infelizmente fotos disponíveis de mamíferos marinhos para mandar para você. Mas acho que vc pode, em se tratando de um trabalho escolar, usar as imagens da matéria em questão (Boto Tucuxi, o rei do Delta do Parnaíba). Faça um copiar/colar. Mas não esqueça de dar o crédito dos fotógrafos. Você pode também procurar imagens no Google, e nesse caso o melhor é procurar pelo nome científico do animal. Por exemplo, o do boto tucuxi é Sotalia fluviatilis. Vc vai achar uma porção de imagens. Bom trabalho!

  4. Anacarolina

    Ola , sou do Rio de Janeiro e faço faculdade de biologia. Gostaria de saber se voces podem me enviar fotos de algum mamifero marinho. Tenho um trabalho para apresentar, só que nao estou achando as fotos.
    Aguardo resposta , obrigada.

  5. luis_pellegrini Autor do post

    Olá Janaina!
    Você com esse nome de Iemanjá menina, gostando da matéria sobre os botos do Delta do Parnaíba! Não pode ser só coincidência, não.
    Vou escrever uma matéria sobre as baleias do Estreito de Magalhães, lá na Patagonia do Sul, local que visitei há alguns meses, e vou dedica-la a você. Aguarde.
    Abração do Luis Pellegrini

  6. Janaina Montenegro

    Lindo Luis,
    Aflorando novamente as emoções, mas como não ser assim? Depois de podermos aprender sobre: amor incondicional verdadeiro e desapego com nossos mais evoluídos Botos.
    Impressionante essas belas histórias, que nunca mais saírá do meu coração.
    Obrigada mais uma vez, querido, por tamanho presente!
    Luz sempre!
    Janaina Montenegro

  7. p.césare

    Salve, Pellegrini! Seu blog (com cara de site!) está surpreendentemente bom, por enquanto só grandes reportagens, que maravilha. Para ler com tempo, saboreando… quanta coisa bonita esse Brasil tem para nos oferecer, não? Gostei dos botos, das ararinhas azuis, do tom ecológico dos textos, da preocupação ambiental… quanto ao post do encontro em Copenhagen (bela abertura com o conto do Tolstói)só me fez pensar, mais uma vez, que as mudanças que darão início à uma nova ordem terão mesmo que partir de baixo, porque se ficarmos esperando algo daqueles que estão no "poder", estaremos perdidos.
    AbraçOM,
    paulocésar

Comente